Associação prospectiva entre os açúcares adicionados à nutroterapia e a fragilidade em idosos

Associação prospectiva entre os açúcares adicionados à nutroterapia e a fragilidade em idosos

Evidências acumuladas indicam que o consumo de bebidas adoçadas com açúcar contribui para a piora dos marcadores de risco cardiometabólico e ganho de peso,   aumentando o risco de diabetes, doença coronariana e outras doenças crônicas que comprometem o envelhecimento saudável. Os efeitos não saudáveis ​​de adoçar com açúcar, além das bebidas, também foram avaliados, e esses estudos mostraram que a quantidade de açúcares adicionados em toda a dieta está associada à mortalidade cardiovascular em adultos americanos. Os açúcares da dieta aumentam as concentrações séricas de triglicerídeos, colesterol total, colesterol LDL e colesterol HDL e os níveis pressóricos, mesmo numa dieta isocalórica e na ausência de ganho de peso.

Muitas pessoas mais velhas sofrem uma perda progressiva de força, agilidade e mobilidade ao longo do tempo, o que leva à incapacidade. A síndrome da fragilidade, caracterizada pelo aumento da vulnerabilidade a estressores menores, está associada a maior risco de quedas, institucionalização e morte. Os fatores de risco cardiovasculares também estão associados à maior ocorrência de fragilidade. É consenso que a dieta  relaciona-se ao maior  risco de fragilidade e incapacidade em idosos. No entanto, o papel específico dos açúcares adicionados neste processo não foi ainda devidamente estudado..

Assim, Laclaustra L e colaboradores investigaram se maiores quantidades de açúcares adicionados à dieta estariam associadas ao desenvolvimento de fragilidade em idosos.

Foram incluídos no estudo, 1973 adultos espanhóis ≥ 60 anos de idade, que participavam da coorte Seniors-ENRICA. Em 2008-2010 (linha de base), o consumo de açúcares adicionados (incluindo aqueles em sucos de frutas) foi aferido usando um questionário de ingestão previamente validado. Os participantes do estudo foram acompanhados até 2012–2013 para avaliar a presença de fragilidade com base nos critérios de Fried. As análises estatísticas foram realizadas com regressão logística ajustada para idade, sexo, escolaridade, tabagismo, índice de massa corporal, consumo energético, comorbidades autorreferidas, escore de adesão à dieta mediterrânica (excluindo bebidas adoçadas e doces), e tempo dispendido assistindo televisão e com atividades  de lazer e prática de atividade física.

Após três anos de acompanhamento, foi verificado que o consumo de uma quantidade maior de açúcares adicionados à dieta estava associado a um aumento do risco de fragilidade. E, este maior consumo esteve apenas parcialmente explicado pela pior adesão à dieta mediterrânea e menor prática de atividade física. O consumo de alimentos com açúcares adicionados durante a produção foi o que mais esteve associado à fragilidade. De modo geral, foi observado que os açúcares naturalmente presentes nos alimentos foram associados de forma protetora à fragilidade.  E, houve associação nula entre os açúcares totais presentes na dieta e a presença de fragilidade.

Os pesquisadores chegaram à conclusão de que o consumo de açúcares adicionados na dieta de idosos foi associado à fragilidade, principalmente quando presente em alimentos processados. Os componentes de fragilidade que mais se associaram com os açúcares adicionados foram o baixo nível da prática de atividade física e a perda de peso não intencional. Pesquisas futuras são necessárias para determinar se existe uma relação causal entre açúcares adicionados e fragilidade.

 

CONFIRA O ENSAIO COMPLETO EM  https://doi.org/10.1093/ajcn/nqy028

#Destaque