Associações de gorduras e ingestão de carboidratos com doenças cardiovasculares e mortalidade em 18 países de cinco continentes (PURE): um estudo prospectivo de coorte

Associações de gorduras e ingestão de carboidratos com doenças cardiovasculares e mortalidade em 18 países de cinco continentes (PURE): um estudo prospectivo de coorte

A relação entre macronutrientes e doenças cardiovasculares e mortalidade é controversa. A maioria dos dados disponíveis são de populações europeias e norte-americanas, onde o excesso de nutrição é mais provável, portanto sua aplicabilidade a outras populações não é clara.

Métodos
O Prospective Urban Rural Epidemiology (PURE) é um grande estudo de coorte epidemiológico de indivíduos de 35 a 70 anos (inscritos entre 1 de janeiro de 2003 e 31 de março de 2013) em 18 países com um acompanhamento médio de 7,4 anos (IQR 5 · 3-9 · 3). A ingestão dietética de 135. 335 indivíduos foi registrada usando questionários de frequência de alimentos validados. Os resultados primários foram a mortalidade total e eventos cardiovasculares principais (doença cardiovascular fatal, infarto do miocárdio não fatal, acidente vascular cerebral e insuficiência cardíaca). Os resultados secundários foram todos infartos do miocárdio, acidente vascular cerebral, mortalidade por doenças cardiovasculares e mortalidade por doenças não-cardiovasculares. Os participantes foram categorizados em quintis de ingestão de nutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) com base na porcentagem de energia fornecida pelos nutrientes. Avaliamos as associações entre o consumo de carboidratos, a gordura total e cada tipo de gordura com doença cardiovascular e mortalidade total. Calculamos os índices de risco (HRs) usando um modelo de fragilidade Cox multivariável com interceptações aleatórias para explicar o agrupamento central.

Resultados
Durante o acompanhamento, documentamos 5796 óbitos e 4784 grandes eventos de doenças cardiovasculares. A ingestão mais alta de carboidratos foi associada a um risco aumentado de mortalidade total (maior [quintil 5] versus quintil menor [quintil 1] categoria, HR 1 · 28 [IC 95% 1 · 12-1 · 46], ptrend = 0 · 0001) mas não com o risco de doença cardiovascular ou mortalidade por doenças cardiovasculares. A ingestão de gordura total e cada tipo de gordura foi associada com menor risco de mortalidade total (quintil 5 versus quintil 1, gordura total: HR 0 · 77 [IC 95% 0 · 67-0 · 87], tendência <0 · 0001; gordura saturada HR 0 · 86 [0 · 76-0 · 99], ptrend = 0 · 0088; gordura monoinsaturada: HR 0 · 81 [0 · 71-0 · 92], tendão de pressão <0 · 0001 e gordura poliinsaturada: HR 0 · 80 [0 · 71-0 · 89], ptrend <0 · 0001). Uma maior ingestão de gordura saturada foi associada a menor risco de acidente vascular cerebral (quintil 5 versus quintil 1, HR 0 · 79 [IC 95% 0 · 64-0 · 98], ptrend = 0 · 0498). Gordura total e gorduras saturadas e não saturadas não foram significativamente associadas ao risco de infarto do miocárdio ou mortalidade por doenças cardiovasculares.

Interpretação
A ingestão elevada de carboidratos foi associada com maior risco de mortalidade total, enquanto que a gordura total e os tipos individuais de gordura estavam relacionados a menor mortalidade total. A gordura total e os tipos de gordura não foram associados a doenças cardiovasculares, infarto do miocárdio ou mortalidade por doenças cardiovasculares, enquanto a gordura saturada teve associação inversa com AVC. As diretrizes dietéticas globais devem ser reconsideradas à luz desses achados.

Mais informações em http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)32252-3/fulltext

#Destaque