Estudo aponta benefícios da vitamina D3 no tratamento contra a desnutrição

Estudo aponta benefícios da vitamina D3 no tratamento contra a desnutrição

Alta dose de vitamina D3 no tratamento da desnutrição aguda grave

Quase 20 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda grave em todo o mundo e estima-se que cerca de 1,4 milhão delas vivam no Paquistão. As crianças que sobrevivem a um episódio de desnutrição aguda grave apresentam maior risco de sofrer efeitos adversos a longo prazo em sua saúde física e mental, o que pode comprometer sua produtividade econômica quando adultos.

Alimentos terapêuticos prontos para uso – uma pasta enriquecida com micronutrientes e de alta densidade energética – representam a base para o tratamento comunitário da desnutrição aguda grave não complicada (ou seja, quando as crianças estão clinicamente bem e alertas, com bom apetite). A OMS destacou a necessidade de pesquisas para identificar terapias adjuvantes que possam melhorar a resposta a alimentos terapêuticos prontos para uso, incluindo administração de antibióticos de amplo espectro e altas doses de vitamina A. No entanto, o potencial de vitamina D adjuvante para melhorar o ganho de peso e os resultados de desenvolvimento em crianças com desnutrição aguda grave tem sido negligenciado. O raquitismo e a deficiência de vitamina D são comuns em crianças com desnutrição aguda severa, a deficiência de vitamina D se associa à perda grave em crianças desnutridas e a suplementação de vitamina D melhora ganho de peso em recém-nascidos com baixo peso ao nascer. A vitamina D também demonstrou ter efeitos favoráveis ​​sobre a função muscular esquelética, neurodesenvolvimento e função imunológica: suas ações anti-inflamatórias e antimicrobianas podem melhorar a resposta à terapia padrão para desnutrição aguda grave, uma condição na qual tanto o aumento da inflamação sistêmica quanto as infecções estão associadas a resultados adversos.

Sendo assim, foi realizado um ensaio randomizado controlado por placebo de suplementação de vitamina D3 em altas doses em crianças entre 6 e 58 meses com desnutrição aguda grave não complicada no Paquistão, com o objetivo de determinar se a vitamina D3 oral em altas doses aumenta o ganho de peso e o desenvolvimento neste grupo de crianças. O estudo, conduzido por Javeria Saleem, Rubeena Zakar, Mahammad Z Zakar, Mulugeta Belay, Marion Rowe, Peter M Timms, Robert Scragg e Adrian R Martineau, selecionou participantes aleatoriamente que foram designados para receber duas doses orais de 200.000 UI de vitamina D3 ou placebo na 2ª e 4ª  semanas depois de iniciarem o alimento terapêutico pronto para uso. O desfecho primário foi a proporção de participantes que receberam > 15% do peso basal na 8ª semana após o início do uso de alimentos terapêuticos prontos para o uso (o final do estudo). Os desfechos secundários foram escore-z médio peso/altura ou -comprimento e a proporção de participantes com atraso no desenvolvimento no final do estudo (avaliado com o Denver Development Screening Tool II), ajustado para os valores basais.

Das 194 crianças aleatoriamente designadas que iniciaram o estudo, 185 completaram o acompanhamento e foram incluídas na análise (93 designadas para intervenção, 92 para controle). A alta dose de vitamina D3 não influenciou a proporção de crianças que ganharam > 15% do peso basal no final do estudo (RR: 1,04; 95% CI: 0,94,15, P = 0,47), mas aumentou o peso escore-z de estatura ou estatura elevada (diferença média ajustada: 1,07; IC95%: 0,49,1,65, P <0,001) e reduziu a proporção de participantes com atraso no desenvolvimento global [RR ajustada (aRR): 0,49; IC95%: 0,31, 0,77, P = 0,002], atraso no desenvolvimento motor grosso (aRR: 0,29; IC95%: 0,13, 0,64, P = 0,002), atraso no desenvolvimento motor fino (aRR: 0,59; IC95%: 0,38, 0,91, P = 0,018) e atraso no desenvolvimento da linguagem (aRR: 0,57; 95% CI: 0,34, 0,96, P = 0,036).

Assim, os pesquisadores concluíram que a dose elevada de vitamina D3 melhorou a média do peso por altura ou da escala-z e os índices de desenvolvimento em crianças que receberam terapia padrão para desnutrição aguda severa não complicada no Paquistão.

Este ensaio foi registrado em clinicaltrials.gov como NCT03170479.

CONFIRA O ENSAIO COMPLETO EM https://doi.org/10.1093/ajcn/nqy027

#Destaque