Associação entre a composição da microbiota intestinal e os transtornos mentais

Uma revisão sistemática da composição da microbiota intestinal em estudos observacionais de transtorno depressivo maior, transtorno bipolar e esquizofrenia

A microbiota intestinal – as bactérias simbióticas que vivem em nosso sistema gastrointestinal (GI) – age como “maquinaria metabólica”. Elas influenciam muitos aspectos da fisiologia através de vias neurais, hormonais e imunológicas, tanto que alguns descrevem o microbioma intestinal como um “órgão virtual”. A interação da microbiota intestinal e do sistema nervoso central (SNC) é referida como o “eixo microbiota-intestino-cérebro”. Embora as bactérias intestinais ajudem na manutenção da saúde, elas também podem interromper a regulação homeostática e influenciar a etiologia e a fisiopatologia de muitas doenças, incluindo transtornos mentais.

Embora os transtornos mentais tenham sido fundamentalmente considerados doenças do SNC, nosso sistema nervoso periférico inclui uma rede neural altamente inervada dedicada a facilitar a comunicação do SNC com o intestino: o sistema nervoso entérico (ENS), que é muitas vezes referido como nosso ‘segundo cérebro’. A sintomatologia intestinal e a saúde mental estão intimamente ligadas; de fato, os sintomas intestinais foram identificados como os sintomas somáticos mais comuns associados à depressão, e os transtornos de ansiedade a comorbidade psiquiátrica mais comum em pacientes com distúrbios gastrointestinais funcionais. Além disso, os tratamentos de cima para baixo usando antidepressivos e terapias psicológicas têm sido eficazes no tratamento da síndrome do intestino irritável (SII), apoiando ainda mais os transtornos mentais como não apenas distúrbios do SNC, mas distúrbios com interconexões sistêmicas altamente complexas.

O campo da psiquiatria é um tanto único na medicina, pois a etiologia dos transtornos mentais não é amplamente clara e não há biomarcadores robustos para auxiliar no diagnóstico ou prognóstico. Isso significa que a diferenciação entre os principais transtornos mentais, como o humor e os transtornos psicóticos, depende principalmente da apresentação dos sintomas. Dada a base de evidências em rápido crescimento para a influência da microbiota intestinal em vários sistemas e vias que são comumente desreguladas nesses transtornos mentais, incluindo inflamação e estresse oxidativo; metabolismo do triptofano e via da quinurenina; disfunção mitocondrial; neurotransmissores; plasticidade cerebral e fatores neurotróficos e processos metabólicos, o intestino e suas bactérias residentes são cada vez mais reconhecidos como importantes alvos de pesquisa. Criticamente, o potencial funcional de diferentes bactérias é cada vez mais compreendido, o que significa que a identificação dos principais táxons que são diferencialmente abundantes em pessoas com transtornos mentais e que influenciam esses sistemas comumente desregulados é um imperativo. Essa identificação pode oferecer oportunidades para entender a etiologia e identificar biomarcadores clinicamente úteis, bem como novas estratégias de tratamento direcionadas, incluindo mudanças na dieta, antibióticos, suplementos probióticos e até transplantes microbianos fecais. Vários estudos observacionais agora investigaram as diferenças na composição da microbiota intestinal em pessoas com transtornos mentais em comparação com os controles. Revisões sistemáticas anteriores sintetizaram esses achados em depressão, psicose e transtorno bipolar (TB). Estes identificaram uma heterogeneidade significativa no desenho do estudo e nos resultados entre os estudos. Desde essas revisões, tem havido um número substancial de novos estudos publicados neste campo. Isso reflete a rápida expansão da pesquisa da microbiota intestinal e, portanto, garante uma síntese atualizada.

No entanto, revisões anteriores raramente avaliaram a composição da microbiota intestinal em vários transtornos mentais, especialmente com o objetivo de sintetizar as evidências para identificar semelhanças ou diferenças entre os transtornos. Ter uma compreensão clara de quais bactérias podem ser comumente abundantes entre os distúrbios, bem como aquelas que podem discriminar entre distúrbios, pode fornecer informações clinicamente relevantes sobre etiologia, potenciais biomarcadores diagnósticos e prognósticos e novos alvos e estratégias de tratamento para alterar a microbiota intestinal em esses principais transtornos psiquiátricos.

OBJETIVOS DO ESTUDO

Realizamos a revisão sistemática mais atualizada da literatura observacional, identificando 11 estudos adicionais desde a última revisão publicada comparando a composição da microbiota intestinal em participantes com transtorno depressivo maior (MDD), TB e esquizofrenia (SZ) aos controles. O objetivo desta revisão sistemática foi sintetizar os resultados de estudos avaliando possíveis diferenças na diversidade e taxonomia da microbiota intestinal entre participantes com transtornos mentais e controles para cada transtorno, e identificar qualquer concordância nas diferenças de composição entre os transtornos. Além disso, pretendemos considerar o significado funcional potencial de quaisquer diferenças de composição identificadas em relação aos processos fisiopatológicos subjacentes envolvidos nesses transtornos mentais graves.

MÉTODOS

Realizamos uma busca sistemática usando PubMed, EMBASE, CINAHL, CENTRAL e PsycINFO para artigos publicados desde o início do banco de dados até 3 de dezembro de 2021. Identificamos 44 estudos (incluindo um total de 2.510 casos psiquiátricos e 2.407 controles) que atenderam aos critérios de inclusão, dos quais 24 investigaram a composição da microbiota intestinal no MDD, sete investigaram a microbiota intestinal composição em TB, e 15 investigaram a composição da microbiota intestinal em SZ.

RESULTADOS E CONCLUSÕES

Nossas sínteses não fornecem evidências fortes para uma diferença no número ou distribuição (α-diversidade) de bactérias naqueles com transtorno mental em comparação com os controles. No entanto, os estudos foram relativamente consistentes em relatar diferenças na composição geral da comunidade (β-diversidade) em pessoas com e sem transtornos mentais. Nossas sínteses também identificaram táxons bacterianos específicos comumente associados a transtornos mentais, incluindo níveis mais baixos de gêneros bacterianos que produzem ácidos graxos de cadeia curta (por exemplo, butirato), níveis mais altos de bactérias produtoras de ácido lático e níveis mais altos de bactérias associadas ao metabolismo de glutamato e GABA. Também observamos uma heterogeneidade substancial entre os estudos em relação às metodologias e relatórios. Outras pesquisas prospectivas e experimentais usando novas ferramentas e diretrizes robustas são promissoras para melhorar nossa compreensão do papel da microbiota intestinal na saúde mental e cerebral e no desenvolvimento de intervenções baseadas na modificação da microbiota intestinal.