Índice TyG como um indicador potencial de obesidade sarcopênica

Índice de triglicérides-glicose como um indicador potencial de obesidade sarcopênica em idosos

A obesidade sarcopênica é caracterizada por alta adiposidade e baixa massa muscular. Está associada a um maior risco de vários distúrbios metabólicos, incluindo diabetes e doenças cardiovasculares. Em comparação com aqueles associados à sarcopenia ou à obesidade isoladamente, as consequências da obesidade sarcopênica são mais graves e estão associadas a custos de saúde significativamente maiores. Além disso, como a obesidade sarcopênica progride lentamente, os estágios iniciais da condição não recebem atenção suficiente, o que leva a um atraso no diagnóstico e consequências significativas em relação à qualidade de vida e mortalidade por todas as causas. Portanto, os idosos devem ser submetidos a triagem para facilitar a detecção precoce e o atendimento de pacientes com obesidade sarcopênica para prevenir sua progressão.

Estudos anteriores mostraram que tanto o envelhecimento quanto a obesidade estão intimamente relacionados ao desenvolvimento de resistência à insulina. A resistência à insulina está associada a altas concentrações plasmáticas de glicose e triglicerídeos devido a deficiências na captação e utilização celular de glicose e maior secreção hepática de triglicerídeos. Isso resulta em maior acúmulo de gordura e aceleração do catabolismo muscular. Assim, há evidências de que a resistência à insulina e a obesidade sarcopênica estão intimamente relacionadas. O modelo de avaliação da homeostase da resistência à insulina (HOMA-IR) tem sido usado por muitos anos para avaliar a sensibilidade à insulina na prática clínica. O índice de triglicerídeos-glicose (índice TyG) foi introduzido mais recentemente e mostrou correlação significativa com os dados de clamp hiperinsulinêmico-euglicêmico obtidos na Coréia, México e Brasil. Além disso, o índice TyG demonstrou ser superior ao HOMA-IR para a identificação de várias condições relacionadas à resistência à insulina, incluindo diabetes mellitus tipo 2, rigidez arterial e doença hepática gordurosa não alcoólica. Assim, o índice TyG representa um indicador confiável e válido de resistência à insulina.

OBJETIVOS DO ESTUDO

Dependendo dessas considerações, realizamos um primeiro estudo transversal mundial de base populacional para determinar se o índice TyG está relacionado à obesidade sarcopênica e se seria adequado para uso como um indicador de obesidade sarcopênica (OS).

MÉTODOS

Um total de 3.821 participantes com idade ≥60 anos foi selecionado para o grupo de estudo e 4.919 participantes com idade entre 20 e 39 anos foram incluídos como grupo de referência. Os participantes foram alocados nos grupos de sarcopenia, obesidade e OS, dependendo se seu índice de massa corporal (IMC) era ≥25 kg/m2 e seu índice de sarcopenia era ≤1 desvio padrão (DP) menor que a média do grupo de referência. As diferenças e tendências específicas do sexo entre os participantes foram analisadas usando os tercis do índice TyG, e valores de corte apropriados do índice TyG para OS foram calculados.

RESULTADOS

À medida que o índice TyG aumentou, o IMC aumentou, mas o índice de sarcopenia diminuiu em ambos os sexos. Homens e mulheres nos tercis médio e superior do índice TyG foram 1,775 e 3,369, e tiveram 1,993 e 3,157 vezes mais chances de ter OS, respectivamente. Os valores de corte do índice TyG para OS em homens e mulheres foram ≥8,72 e 8,67, respectivamente.

CONCLUSÃO

Um alto índice TyG está positivamente associado a OS, e o índice TyG pode ser considerado um potencial indicador de OS.